INTRODUÇÃO

O presente artigo objectiva-se na contextualização do impacto da covid19 na vida das mulheres trabalhadoras domésticas, vulgarmente chamadas empregadas, e das mulheres vendedoras ambulantes (Zungueiras).
A covid19 é uma pandemia causada pelo novo coronavirus, que surgiu na cidade de wuhan província de Hubei na China em Dezembro de 2019, desde lá vem causando danos Humanos e tem ceifado muitas vidas, assim como danos materiais causando assim um impacto na desaceleração da economia mundial, e mexendo com alguns indicadores económicos que mexem directamente com a vida das pessoas, assim como o desemprego e a inflação.
Ao abordar o impacto da covid19 na vida destas mulheres, leva-nos efetivamente a reflexão do papel da mulher doméstica e zungueira na sociedade e na família, é óbvio que o presente artigo não vai trazer algum aspecto positivo que impacta a vida desta classe que chamamos de mulher doméstica ou zungueira, por vários motivos que no decorrer das nossas linhas vamos salientar com mais precisão.
Esperamos ter contribuído para a compressão do papel destas mulheres na sociedade e na família, e os impactos negativos que a pandemia covid19 está causando em suas vidas.

DESENVOLVIMENTO
Para compreender este trabalho, precisamos primeiramente refletir sobre o papel da mulher doméstica e zungueira na sociedade e principalmente na família, visto que o primeiro grupo depende deste último respetivamente, a fim de posteriormente podermos relacionar o impacto da covid-19 na vida destas mulheres.
A mulher doméstica e zungueira desempenham um papel muito importante na economia doméstica no contexto da auto-sustentabilidade, entendo que são as economias das famílias que formam a global, porque dela faz-se agentes económicos. Em Angola onde o índice do desemprego que é um indicador macroeconómico bastante importante, pelo facto de ser sentido directamente pelas pessoas em todos os sentidos, assim como o deficiente crescimento económico nacional, ocasionaram comportamentos negativos tal como fuga a paternidade, divórcios precoces, percas dos progenitores ou os principais responsáveis da família, associado o nível elevado do analfabetismo, obrigou certas mulheres a terem outras opções para sustentar as famílias passando ao exercício da actividade doméstica por conta de outrem ou a venda Ambulante (zunga).
Estas actividades como algumas outras, como as dos mototaxistas, têm sido o suporte para alavancar a economia doméstica e manter a sustentabilidade de muitas famílias.
Como já nos referimos, o presente trabalho não vai trazer qualquer aspecto positivo que seja impactante na vida desta classe de mulheres, porcausa de inúmeros factores.
A covid 19 é uma pandemia viral e invisível que vem dizimando vidas humanas, esta pandemia esta a mexer com a economia mundial, ate mesmo as consideradas potências, e para a preservação da vida, trouxe algumas medidas que impõem tantas limitações ao homem.
Olhando para estes aspectos que implicaram a receção da economia mundial, podemos aqui considerar fazer uma análise criteriosa ao irreversível impacto da covid-19 na vida da mulher doméstica e zungueira, na medida em que a actividade destas mulheres é rotineira, sendo isto, as implicações impostas por essa pandemia relativamente para a sua prevenção, leva-nos ao cumprimento de uma série de regras, de forma a não efectivamente correr riscos maiores.
Algumas destas medidas é o confinamento, o isolamento social, o distanciamento e outros, o que impede a mulher doméstica e zungueira deslocar-se madrugando para a aquisição de produtos às fontes fornecedoras para posteriormente irem ao encontro de suas clientelas.
Este é um papel que requer muito sacrifício para a conquista de clientes, tal que pressupõe o contacto com as pessoas, circulação na via pública ou de casa a casa, procedimentos estes que as medidas de controlo e prevenção da pandemia não permite, transformando um inferno a vida destas mulheres e das suas famílias.
A paralisação total ou parcial das actividades destas mulheres, para muitos parece normal, mas segundo o contexto angolano, é mexer com a alegria de 75% das famílias ou dos angolanos, O maior desastre da covid-19 esta a refletir-se na vida das camadas mais baixas socialmente e pobres economicamente, fundamentalmente na vida das mulheres domésticas ou zungueiras, que ao ficar em casa não alimentam a família e vê comprometida toda a sua sobrevivência .
Cientes que devemos respeitar a vida, mas em certas franjas da sociedade como consequências dos problemas sócio económicos que as famílias angolanas acarretam associados ao covid-19, a mulher zungueira não tem qualquer hipótese.
O contexto actual deve levar-nos a refletir os próximos passos das políticas económicas e sociais. Assim como o respeito e papel destas mulheres deve ser tido em conta não obstante a situação actual decorrente, e as limitações impostas pela pandemia, sobretudo a todas as pessoas que são impedidas ao esforço de sustentarem suas famílias.

Conclusão
Importa considerar o grande contributo que a mulher doméstica e zungueira tem no desenvolvimento sustentável social e económico das suas famílias, sobretudo no nosso país, em consequência das ineficiências e ineficácias das políticas económicas, quanto ao seu impacto na vida das populações, como dizia alguém que o principal objetivo destas políticas é pensar na fome da população.
O covid-19, é um intruso com impactos negativos e irreversíveis vivenciados na vida da mulher doméstica e zungueiras em particular, das suas famílias e da sociedade em geral, pelo facto de retirar o mínimo sonho de acesso a alimentação ou as necessidades mais básicas destas famílias.
Assim como as grandes economias por hora queixam-se, os estadistas são incapazes de fazer face ao covid-19, imagina a mulher doméstica ou zungueira que depende de si para gerar recursos, então o maior impacto logo é a acentuada degradação da vida social económica na vida destas mulheres.